Estudos Internacionais

11bx.jpg
67bx.jpg

O que se faz lá fora

As misturas de carvalhos e pinheiros são muitas vezes consideradas como fases transitórias na sucessão ecológica, assumindo que os pinheiros podem facilitar o estabelecimento de espécies de sucessão tardia como os carvalhos (Pausas et al. 2004, Urbieta et al. 2011).

 

É provável que as interacções complementares possam predominar entre pinheiros e carvalhos, uma vez que os pinheiros mediterrânicos são considerados espécies que evitam a seca, partilhando espaço e recursos com os carvalhos de folha persistente tolerantes à seca. Em condições ambientais limitadas, e especialmente na região mediterrânica onde os nutrientes do solo e a água são escassos, não é consensual se predominam relações de competição (Prevosto et al. 2016) ou de facilitação (Prieto et al. 2012).

 

A revisão da literatura realizada sobre florestas mistas sugere que os processos de facilitação entre espécies parecem muito dependentes das espécies e de especificidades locais. Um estudo conduzido por Fruleux et al. (2016) combinando Fagus sylvatica e Quercus petraea mostrou que em condições de seca, os processos de facilitação de Quercus sobre o crescimento do Fagus prevaleceram enquanto que em condições bem irrigadas se observou competição. Resultados semelhantes foram obtidos por Pretzsch et al. (2013) estudando povoamentos adultos de faia e várias espécies de Quercus sp. na Europa. 

 

Outros autores, todavia, encontraram exactamente o oposto. Jucker et al. (2014), por exemplo, observaram um aumento de 48% na biomassa lenhosa acima do solo em mistura de espécies de carvalhos e pinheiros ibéricos, mas sob condições de seca a competição dos anos de stress prevaleceu. A razão dada relaciona-se com a capacidade de explorar a água e os nutrientes do solo pelos sistemas radiculares das espécies.

 

A morfologia e distribuição das raízes permitem perceber melhor as razões que levam ao predomínio de uma determinada interacção, em oposição à avaliação apenas da componente aérea (Beyer et al. 2013, Bolte e Villanueva 2006, Buttner e Leuschner 1994, Hendriks e Bianchi 1995, Kiaer et al. 2013, Meinen et al. 2009). del Castillo et al. (2016) foi capaz de traçar a dinâmica da utilização da água numa experiência de campo em sistema misto de Pinus halepensis e Quercus ilex na região mediterrânica durante o Verão utilizando uma metodologia baseada na composição isótopica.

 

Os autores verificaram uma deslocação das raízes do carvalho para solo profundo forçada pela presença de pinheiros nas camadas superficiais. Um resultado semelhante foi obtido por Bolte e Villanueva (2006) numa experiência de campo com mistura de faia e abeto, onde foi observada uma mudança nas raízes finas de faia para camadas mais profundas do solo, devido à competição. Em conclusão, as árvores responderam à presença de outras através de adaptações morfológicas das raízes, estratificando sobre o perfil do solo de forma semelhante ao que as folhas fazem na procura de luz.